quinta-feira, 26 de novembro de 2015

"O Caso dos 10 Porquinhos"

Post por: Arquivos Turma da Mônica

Dia 25 de novembro é o aniversário do Cascão. Em homenagem à data, mostro uma história que envolve um grande mistério que aconteceu em um aniversário dele. "O caso dos 10 porquinhos" tem 10 páginas e foi publicada em 'Cascão nº 42' (Ed. Globo, 1988).

Capa de 'Cascão nº 42' (Ed. Globo, 1988)

Começa com o narrador avisando que um suspense e mistério estava ocorrendo em uma terrível festinha de aniversário. Era o aniversário do Cascão e seus pais e os seus amigos estavam lá comemorando, no total de 10 pessoas. 

Então, o Cebolinha entrega ao aniversariante um presente em nome de todos, que foi uma vaquinha entre eles. Tratava-se de 10 estatuetas de porquinhos, que o Cascão adorou e colocou logo na cômoda para enfeitar.


Chega a hora de comer o bolo e o Cascão comenta com o Cebolinha que estava tão feliz que até participaria de um plano infalível contra a Mônica. Só que, foi apenas o Cascão fechar os olhos, que, de repente, Cebolinha some bem na sua frente, deixando o Cascão chateado porque o deixou falando sozinho. Enquanto procura, ele nota que um dos porquinhos que ganhou de presente havia sumido na mesma hora, começando o mistério.

Nessa hora, Mônica aparece e o Cascão fala que uma estatueta e o Cebolinha sumiram, e ainda fala demais que iam bolar um plano infalível contra ela. Mônica fica braba e quando ela ia bater nele, some também de repente e, ao mesmo tempo, outra estatueta some.


Magali e Anjinho também somem, junto com outras 2 estatuetas e, com isso, Cascão, que já estava preocupado, fica desesperado com esses misteriosos desaparecimentos. Então, ele encontra o Franjinha e conta o que estava acontecendo, e o Franjinha comenta que estava parecendo com a história do livro que leu, com a diferença que a cada estátua que sumia, uma pessoa era assassinada. Eles vão procurar a turma, mas quando o Cascão vai olhar que outra estátua sumiu, O Franjinha desaparece também. Nessa altura, só restavam 5 porquinhos na cômoda.


Cascão se desespera de vez e vai procurar seus pais e o Chovinista que sumiram também, restando só 2 estatuetas, representando ele e o Bidu, que se afasta por causa do cheiro do Cascão e acaba sumindo também, restando apenas o Cascão e uma estatueta na casa. Ele tem ideia de fugir, mas a chuva o impede e ele preferiu enfrentar o perigoso assassino a chuva.

Quando chora, raios lá fora e uma batida na porta dos fundos dão um ar mais aterrorizante à história e o Cascão pensa que é o assassino que vai pegá-lo. Fala que não vai ser pego sem luta e arruma uma vassoura pra enfrentar o assassino. Quando bate, viu que era o pai, só que estava todo branco, assim como sua mãe e todos os seus amigos que estavam juntos e o Cascão pensa que viraram fantasmas.


A partir daí, o mistério é desvendado. O fermento do bolo estava estragado e deu dor de barriga em todo mundo e todos que tinham que correr às pressas fazer fila no banheiro e o Cascão não os procurou lá. E as estatuetas sumiam porque o Chovinista pegava uma a uma com a intenção de quebrá-las porque estava com ciúmes.

Mistério resolvido, a festa continuou, mas Cascão e Cebolinha acabaram apanhando da Mônica no final pela tentativa de bolarem plano infalível contra ela, terminando assim a história incrível.


É uma história de qualidade, parodiando a história do livro "O Caso dos Dez Negrinhos", da inglesa Agatha Christie, contada ao modo da turminha. Legal o narrador no início recomendando que se a pessoa é sensível, que pule para a história seguinte, ou que evitem chiliques pra não atrapalhar quem está lendo. Uma boa sacada.

Os traços são excelentes, as expressões do Cascão emocionado ao ganhar o presente e ele desesperado são ótimas. Muito bom a hora em que o Cascão preferir ficar em casa, já que a chuva é mais aterrorizante do que um assassino. Muito engraçado. E adoro também o Cascão desesperado e falando sozinho. Histórias dos personagens falando sozinho costumava ser ótimas mesmo. Na postagem, coloquei a história completa.


Curiosamente, nessa história, o Cascão fazia aniversário em agosto, quando a revista foi lançada em 1988. Nessa época em que ela foi publicada, os personagens não tinham data de aniversário definida e em qualquer mês e edição podia sair história de aniversário, quando bem entendessem, já que histórias assim saiam só de vez em vez em quando e raro em histórias de abertura, como essa. Foi a partir de 1994 que os personagens ganharam uma data fixa de aniversário e, desde então, em todos os anos têm histórias de aniversário em seus respectivos meses. 

TMJ #88 e CBM #27

Durante essa semana a página oficial da TMJ postou as capas das edições do mês!

A do Chico Moço se chama O Irmão do Chico e é roteiro do Marcelo Cassaro (no CBM, ele fez as edições 17, 20, 21 e 24):


A da Turma Jovem tem o título Somos Todos Nerds e se passa na Comic Con, com o roteiro do Flávio Teixeira (na TMJ, ele fez as edições 1-4, a primeira e a última história da TMJ 5 e as edições 20, 21, 22 e 50):