segunda-feira, 5 de outubro de 2015

Coleção Histórica Mauricio - Bidu

De volta (ou talvez não). Bom, o fato é que hoje estou aqui pra falar do livro Coleção História Mauricio - Bidu, que compila todas as histórias de Mauricio de Sousa com os personagens da atual Turma da Mônica, nas revistas Zaz Traz e Bidu, de 1960.


Contemplamos a possível primeira aparição do Cebolinha, em Zaz Traz nº2 (página 61). Na época ele falava tudo errado, pois tinha em média quatro anos, em contraponto aos garotos mais velhos - Franjinha, Titi, Jeremias, Manezinho e, na época, Humberto. Ele dizia, por exemplo, "Fanzinha" em vez de "Franjinha".

A partir das páginas 63 e 108, há duas histórias que não são do Mauricio, mas que contam com a participação de Bidu e Franjinha (e outros personagens, de Gedeone Malagola, o autor das histórias). Elas são a genial "O Rapto do Bidu" e "Viagem à Lua".

Apesar de o livro não parecer tão grande, com 200 e poucas páginas, é demorado se se ler, pois há, na maioria das vezes, três quadrinhos por faixa, e às vezes quatro (em uma ou outra história, até cinco). Atualmente, nas revistas da Turminha, os quadros são um ou dois por faixa, dependendo do roteirista (por exemplo, nas histórias do Emerson Abreu há um por faixa).

Também havia, nas histórias, os pais do Franjinha (Carlos e Elza) e do Cebolinha (Seu Cebola e Dona Cebola) e uma garota secundária. Não sei se era a mesma em todas as histórias, mas tem uma que falam que ela se chama Leninha. A Maria Cebolinha também aparecia.

As histórias eram muito boas, destaco uma, que marcou a estreia do Manezinho e do Titi nas tiras, "O Castelo dos Monstros". A história foi aproveitada para um dos gibis do Bidu (o nº4). A história ganhou uma continuação, "O Cachorro Alado" (no Bidu nº6), com um livro de mágicas que Franjinha pegou do castelo, na história anterior, e que foi usado para dar asas ao Bidu, nessa continuação.

Enfim, um ótimo livro. Com histórias excelentes (exceto, claro, algumas, politicamente incorretas demais, por exemplo uma em que o Franjinha acaba espetando uma faca no Bidu), e que, mesmo em preto e branco, acabam nos encantando muito.