segunda-feira, 15 de setembro de 2014

Crítica - Turma da Mônica Jovem: o namoro de Mônica e Do Contra

Desde a edição 68, quando se fala em TMJ é impossível não lembrar que, agora, Mônica largou o Cebola e está com DC. Eu acho que isso está ficando irritante.

Já foram seis edições só falando disso. Claro, algumas tiveram temas diferentes, mas o "fundo" da história é sempre o mesmo: Mônica, Cebola e DC. Por exemplo, a edição 70 "a história é sobre o Fofenho, não sobre a Mônica e o DC". Óbvio que essa história foi criada para ver como estava a relação de Mônica e DC, como ela andava. A trama do Fofenho só foi criada porque ia ficar muito chato ver a relação de um casal, que, pelo que mostrou nessa mesma edição, é chato.

Bom, mas vamos à crítica. Primeiro, falando do Cebola. Ele realmente foi chato. Vamos relembrar?

nº43 - Tesouro Verde (Parte 1) - a primeira edição da "nova fase do Cebola". Ele foi chato mesmo fazendo a Mônica brigar com o Safiri.
nº47 - Bem-Vindos ao Japão - olha, não é só porque eu quero que a Mônica e o Cebolinha fiquem juntos, mas acho que, apesar da atitude dele, ele estava certo em reclamar. O Tikara e a Keika levavam todos em lugares que eles não queriam ir! Tava chato mesmo.
nº54 - Cheia de Onda -  uma das piores edições da Turma da Mônica Jovem. Mas o Cebola vacilou.
nº55 - Meu Futuro - que chato esse Cebola! Nessa edição, ele subestimou a Mônica...
nº59 - Encontro Marcado - vou te dizer, o Cebola foi um chato mesmo! Trocar a Mônica (não só ela, todos os seus amigos) por um game?
nº62 - Campeões da Justiça - disse que "a Mônica não sabe pensar direito". Gente chata é outra coisa, né?
nº65 - A Brigada dos Ossos Cruzados (Parte 1) - ele pagou pau pra Xabéu. Mas como a Petra Leão disse em seu ask, ele só admirava a Xabéu, queria ser como ela, como a Magali falou, até.
nº68 - Jogos Mortíferos - precisa MESMO falar?
nº69 - A Decisão - essa aqui... precisa falar ou querem que eu desenhe?


Então, você namoraria: um cara que olha pra outras meninas, compra flores para elas, subestima você, diz que você não sabe pensar sozinha, te troca por um game, te vê com medo e ri? Não.

Mas e se ele tivesse mudado realmente, pra melhor, e se arrependido dos seus atos? Talvez.

E um cara que, antes do namoro, é "perfeito", mas, no namoro, é chato porque só fica contrariando as coisas de modo incomodativo? Não.

Pois é. Eu, se fosse o Mauricio, colocaria a Mônica e o Cebola juntos depois da edição 34 e seguia para histórias de aventura, como até então estava sendo. Não necessariamente precisava ser em partes, mas alguns elementos precisavam ser seguidos: 1) tirar o foco do casal principal. Magali, Cascão e Chico Bento (se bem que ele nunca apareceu na TMJ, só na CBM...) são parte do quinteto principal (apesar do Chico não aparecer na TMJ, pois faz parte de um núcleo diferente); 2) alternar histórias de aventura, romance, terror, cotidiano e humor. Esses cinco pilares funcionariam muito bem se todos fossem usados moderadamente, e não só romance e cotidiano como estava (e, realmente... ainda está) sendo, com aventuras de vez em quando e terror só em histórias de Halloween.

Mas, já que a MSP já deu esse tiro no pé transformando o Cebola num chato canalha e a Mônica numa ciumenta chorona, acho que esse namoro da Mônica e Do Contra consertaria as coisas. Afinal, o Cebola mudaria se realmente quisesse ficar com a Mônica, e ela mudaria para melhor. A própria Petra falou que "o namoro da Mônica e do DC ainda vai render muitas coisas boas, entre elas o amadurecimento dos personagens". Cebola e Mônica (principalmente ele) precisavam amadurecer.

Mas ia parecer forçado e ia ser muito chato e machista se a Mônica terminasse com o Do Contra só pra voltar pro Cebola. Acho que ela deveria terminar com ele (o que tem 97% de chance de acontecer) por não ser o que pensaram um do outro, e acharem que não vão dar certo. Beleza. Enquanto isso, Mônica e Cebola se acertam como amigos e têm uma conversa franca: Cebola, após ter passado por uma experiência dolorosa, porém boa, amadurece e reconhece que errou com a Mônica, pedindo para que eles voltem a ser amigos, e, se, no futuro, pintar algum clima, e eles se sentirem apaixonados de novo, recomeçar do zero.

E eles, após uma história bem massa com mais um crossover entre a Turma da Mônica Jovem e o Chico Bento Moço, Mônica e Cebola se beijam e começam a namorar, agora recomeçando do zero e vivendo felizes para sempre, com histórias, a partir daí, de aventura, cotidiano, terror, humor e romance, os cinco pilares que, alternadamente, deixariam tudo melhor, além da ciclagem de roteiristas (é horrível um roteirista fazer uma história por mês da TMJ ou CBM mais a Tina todo mês e aí cansa e as histórias dão uma caída), revezando entre a Petra, o Flávio, o Cassaro e o Emerson (e até botando um roteirista novo, por que não?). Não seria legal? Acho que sim.


Já falei tudo que tinha pra falar sobre o namoro em si. Agora, vou falar da escolha do personagem Do Contra para namorar a Mônica.

Não gostei.

Um personagem que tinha tudo para namorar ela seria o Luca, que na infância quase falou para uma "prima" da Mônica (que na verdade era ela disfarçada) que gostava dela e vice-versa (apesar da quedinha pelo Cebolinha ser, claro, bem maior).

Seria legal ver o Luca namorando a Mônica (eu até poderia torcer por esse casal. Gosto muito deles e gostaria que namorassem por um tempo - só que gosto mais dela com o Cebola).

Bom, é isso. Até a próxima!