quarta-feira, 18 de junho de 2014

Chico Bento Moço nº10

Tudo começa após Mariara se lembrar de algumas coisas do Caipora, o Vespa dar um gritinho e a Mariara fazer coisas poderosas. Com o gritinho do Vespa, as personagens principais do Chico Moço (ele, Vespa, Francis, Yo, Zé da Rússia, Bombeta e Ferrugem - preciso repetir!?) se reencontram. Assim, Bombeta e Zé da Rússia se apaixonam perdidamente por Mariara, que espanta os seres do Caipora e pesca um peixão com a mão. Aí fica muito difícil descobrir quem é ela, sabe...? E ainda tem o nome? Nota: não entendi como ela disse que o nome dela era Mariara se ela não lembrava que era a (spoiler) Iara.


Então, o Curupira Caipora manda o Minhocoçu para atacar o Chico e seus amigos. E ele ainda quer conquistar a Mariara!? Faça-me o favor. Curupira Caipora, acho que você tá "mal na fita". Então, o Chico (que está na boca do Minhocoçu) implora para Mariara mandar o Minhocoçu parar. E não é que dá certo? Mariara, mas já vou falar seu nome verdadeiro, Spoiler, aliás, Iara, consegue fazer o Minhocoçu parar. E o Chico conta que ela é a Iara.


Bom, aí acontece a linda transformação da Mariara na Iara, a rainha das águas ou a mãe d'água. Ficou bem legal! E a Iara perdoou o Caipora e eles viveram felizes para sempre. Não, pera... Foi bem-feito (ou seria benfeito?) pro Caipora ter ido morar no fundo do rio pra sempre. A Maria... Iara fez bem. Eu teria feito a mesma coisa. Assim, provando que não é uma monstra e que não come gente (como em algumas lendas da Iara), a mãe d'água manda a turminha de volta com sua magia. E o estágio que é bom, nada, né!?


Então, tudo acaba bem. Na verdade, não pra Francis. Ela finalmente descobre que o Chico tem uma namorada. Tomara que, por essa edição ter sido feita por um (no caso, uma) roteirista diferente do normal (foi feita pela Petra e o normal do Chico Moço é o Flávio), não tenha mudanças de continuidade. Tipo, a Francis ficar sem saber que o Chico tem namorada. Tomara! E o "bzzz" nas falas do Vespa ficou bem... estranho. Nas outras edições não tinha isso. Bom, percebemos que o Vespa só incomoda assim o Chico porque gosta da Francis (na edição #9 eu já tinha percebido). E agora me deixa ir desmaiar ali do lado porque acabei de lembrar do preview da edição #11.

Tina nº1

Essa edição foi ótima. É uma continuação da edição #00, lançada apenas no site da Tina (clique aqui para ler a edição #00), onde a Tina e seu pai vão ver o apartamento. Agora, na edição #01, os pais da Tina vão levá-la ao novo apartamento. Lá, o pai da Tina não quer nem saber de deixar a Tina por ali para não perder a filha. Mas a Tina e sua mãe o convencem, pois o apartamento é mais perto da faculdade de Jornalismo e até dos amigos da Tina.


No meio disso tudo, são apresentados dois novos personagens desse novo mundo da Tina: aRita Rubra (que é tia da Rúbia, que já aparecia nas outras revistas da Tina) e o Julius Voracci, que serão vilões, mas que ainda não fizeram sua estreia oficial. A Tina quer trabalhar na Púrpura, que é a revista da Rita Rubra (e é onde o Rolo, a Rúbia e um monte de personagens novos e desconhecidos trabalham), como jornalista.


Depois que os pais da Tina vão embora, aparece ninguém mais, ninguém menos que... aPipa brigada com o Zecão! De novo?! Assim, a ex-amiga da Tina decide ficar por ali mesmo...no apartamento dela! Fala sério, quem quer aguentar uma chata choramingando por causa do Zecão?! Mas eles ainda vão voltar (e já voltaram, no fim da revista)... Então, a Tina decide que não saber o que fazer e decide também ir pedir ajuda pra todo mundo - seja o Rolo, o Zecão, o Toneco ou a Pipoca.


A Tina decide ajudar o Zecão a conquistar a Pipa para tudo voltar ao normal. Mas ela acaba voltando pra casa e uma coisa acontece: a Tina começa a ouvir barulhos esquisitos. Que barulhos seriam esses? A Pipoca, a gata da Pipa. Bom, pelo que eu me lembre, na edição#53, um dos gatinhos (no caso, uma gatinha) da Magali se chamava Pipoca. Só estranhei porque, da Tina "normal" pra Tina "jovem" se passaram três ou quatro anos, enquanto da Mônica pra Mônica jovem se passaram oito ou nove anos (e a Tina e Mônica clássica viviam no mesmo tempo). Então, deve ser só neura mesmo.


Depois, vêm as matérias. Apesar de não ser menina, achei legal esse novo tipo de entretenimento na revista, mas não precisava ocupar tantas páginas (algumas seções são bem nada-a-ver). Bom, agora é esperar pra ver. Pelo que eu vi no Álbum de Figurinhas da Turma, a Tina normal (imagens acima, da antiga revista e do Almanaque), nos traços chamados de "Barbie" continuará existindo. Melhor assim, porque tem coisa nesse traço flash que é bem ruim (tipo a mecha rosa no cabelo da Pipa)...