quarta-feira, 18 de junho de 2014

Chico Bento Moço nº10

Tudo começa após Mariara se lembrar de algumas coisas do Caipora, o Vespa dar um gritinho e a Mariara fazer coisas poderosas. Com o gritinho do Vespa, as personagens principais do Chico Moço (ele, Vespa, Francis, Yo, Zé da Rússia, Bombeta e Ferrugem - preciso repetir!?) se reencontram. Assim, Bombeta e Zé da Rússia se apaixonam perdidamente por Mariara, que espanta os seres do Caipora e pesca um peixão com a mão. Aí fica muito difícil descobrir quem é ela, sabe...? E ainda tem o nome? Nota: não entendi como ela disse que o nome dela era Mariara se ela não lembrava que era a (spoiler) Iara.


Então, o Curupira Caipora manda o Minhocoçu para atacar o Chico e seus amigos. E ele ainda quer conquistar a Mariara!? Faça-me o favor. Curupira Caipora, acho que você tá "mal na fita". Então, o Chico (que está na boca do Minhocoçu) implora para Mariara mandar o Minhocoçu parar. E não é que dá certo? Mariara, mas já vou falar seu nome verdadeiro, Spoiler, aliás, Iara, consegue fazer o Minhocoçu parar. E o Chico conta que ela é a Iara.


Bom, aí acontece a linda transformação da Mariara na Iara, a rainha das águas ou a mãe d'água. Ficou bem legal! E a Iara perdoou o Caipora e eles viveram felizes para sempre. Não, pera... Foi bem-feito (ou seria benfeito?) pro Caipora ter ido morar no fundo do rio pra sempre. A Maria... Iara fez bem. Eu teria feito a mesma coisa. Assim, provando que não é uma monstra e que não come gente (como em algumas lendas da Iara), a mãe d'água manda a turminha de volta com sua magia. E o estágio que é bom, nada, né!?


Então, tudo acaba bem. Na verdade, não pra Francis. Ela finalmente descobre que o Chico tem uma namorada. Tomara que, por essa edição ter sido feita por um (no caso, uma) roteirista diferente do normal (foi feita pela Petra e o normal do Chico Moço é o Flávio), não tenha mudanças de continuidade. Tipo, a Francis ficar sem saber que o Chico tem namorada. Tomara! E o "bzzz" nas falas do Vespa ficou bem... estranho. Nas outras edições não tinha isso. Bom, percebemos que o Vespa só incomoda assim o Chico porque gosta da Francis (na edição #9 eu já tinha percebido). E agora me deixa ir desmaiar ali do lado porque acabei de lembrar do preview da edição #11.

Tina nº1

Essa edição foi ótima. É uma continuação da edição #00, lançada apenas no site da Tina (clique aqui para ler a edição #00), onde a Tina e seu pai vão ver o apartamento. Agora, na edição #01, os pais da Tina vão levá-la ao novo apartamento. Lá, o pai da Tina não quer nem saber de deixar a Tina por ali para não perder a filha. Mas a Tina e sua mãe o convencem, pois o apartamento é mais perto da faculdade de Jornalismo e até dos amigos da Tina.


No meio disso tudo, são apresentados dois novos personagens desse novo mundo da Tina: aRita Rubra (que é tia da Rúbia, que já aparecia nas outras revistas da Tina) e o Julius Voracci, que serão vilões, mas que ainda não fizeram sua estreia oficial. A Tina quer trabalhar na Púrpura, que é a revista da Rita Rubra (e é onde o Rolo, a Rúbia e um monte de personagens novos e desconhecidos trabalham), como jornalista.


Depois que os pais da Tina vão embora, aparece ninguém mais, ninguém menos que... aPipa brigada com o Zecão! De novo?! Assim, a ex-amiga da Tina decide ficar por ali mesmo...no apartamento dela! Fala sério, quem quer aguentar uma chata choramingando por causa do Zecão?! Mas eles ainda vão voltar (e já voltaram, no fim da revista)... Então, a Tina decide que não saber o que fazer e decide também ir pedir ajuda pra todo mundo - seja o Rolo, o Zecão, o Toneco ou a Pipoca.


A Tina decide ajudar o Zecão a conquistar a Pipa para tudo voltar ao normal. Mas ela acaba voltando pra casa e uma coisa acontece: a Tina começa a ouvir barulhos esquisitos. Que barulhos seriam esses? A Pipoca, a gata da Pipa. Bom, pelo que eu me lembre, na edição#53, um dos gatinhos (no caso, uma gatinha) da Magali se chamava Pipoca. Só estranhei porque, da Tina "normal" pra Tina "jovem" se passaram três ou quatro anos, enquanto da Mônica pra Mônica jovem se passaram oito ou nove anos (e a Tina e Mônica clássica viviam no mesmo tempo). Então, deve ser só neura mesmo.


Depois, vêm as matérias. Apesar de não ser menina, achei legal esse novo tipo de entretenimento na revista, mas não precisava ocupar tantas páginas (algumas seções são bem nada-a-ver). Bom, agora é esperar pra ver. Pelo que eu vi no Álbum de Figurinhas da Turma, a Tina normal (imagens acima, da antiga revista e do Almanaque), nos traços chamados de "Barbie" continuará existindo. Melhor assim, porque tem coisa nesse traço flash que é bem ruim (tipo a mecha rosa no cabelo da Pipa)...

sexta-feira, 6 de junho de 2014

Turma da Mônica Jovem nº70

Na edição #70 da Turma da Mônica Jovem, lançada no mês passado, Mônica e Do Contra começam a namorar e enfrentam as dificuldades do namoro. Apesar de a história central ser a do Fofenho, acho que os leitores viram que a verdadeira mensagem que eles queriam passar com essa história era do desenvolvimento do namoro da Mônica e DC. Afinal, nunca a Mônica namorou por mais de meia edição e nunca o DC namorou, só quando criança e namoricos pequenos (como em uma história onde ele termina com uma garota a elogiando).


Bom, o DC e a Mônica estavam experimentando o primeiro namoro sério, e parecia que não estavam curtindo muito, não. Certo que o DC é o DC, o Do Contra, mas... assistir a um filme de mais de seis horas (O Palhaço e a Panqueca)?! Isso aí tá mais pra tortura, e não pra namoro. Deu pra ver, na capa, que eles também não estão muito felizes, não. Falando na capa, eu não gostei muito, não. Adorei a mensagem nas camisetas dos personagens (again, na da Mônica; e roll, na do DC: enrolado/rolo novamente), mas o fundo ficou esquisito dividido. Deu pra ver o porquê, mas ficaria mais legal se tivesse o bichinho, o fundo fosse completo e não fosse tudo da mesma cor (tipo, o céu de uma cor, o muro de outra cor).


Aí, aparece um bichinho na porta da casa da Mônica. Ela logo dá o nome de Fofenho, apesar do DC não gostar. Mais uma situação da verdadeira história e da verdadeira mensagem da revista: o namoro desandando da Mônica e DC. Então, os clichês da edição #56 - Sem Medo aparecem e tals e tals. Só fica mais legal quando aquele moço aparece, o da Dinamica, procurando o Fofenho. A Magali, Denise e Cascão fazem uma ponta na edição (a Denise está por um fio de virar principal, ainda mais com as histórias do Emerson desse ano, que é capaz de fazerem uma edição especial colorida com ela), mas só uma ponta mesmo.


Então, aparece o Alivulpex adulto, procurando seu filhote - o Fofenho. A Dinamica estava achando que o Fofenho era caça do Alivulpex, mas não. A Mônica percebeu isso na hora certa. Ufa! Bom, não dá pra deixar de comentar sobre a hora em que Mônica e DC contam para Luísa sobre o Fofenho. Foi demais! Só achei que, com os traços novos, ela ficou parecendo a dona Lina! É sério, por um fio não achei que era ela mesmo. Não ficou bom. E também não posso deixar de comentar de quem...?


Cebola! Ele só apareceu uma única vez na edição, acho, e, se foi, foi num pensamento da Mônica no início. Não sei se era ele ou o DC, mas tá aí. E como em pensamento e foto não conta, ele é o último a entrar para a galeria das personagens principais que deixaram de participar de uma edição. Essa galeria já continha Magali, pelas edições #48 e #64Cascão, pela edição #48Mônica, por essa mesma edição, e Chico Bento, pela edição #04 do Chico Moço. Mas a próxima edição parece que será legal. Tomara que seja a última dessa fase em foco de romance de Mônica/DC. Sim, porque vai ser uma edição de romance entre Mônica/DC, mesmo que eles não apareçam na história. Mas vamos aguardar a edição #71, que terá a capa revelada em breve.

segunda-feira, 2 de junho de 2014

Turma da Mônica nº89

A Magali sempre teve do seu lado uma melancia na mão. E na história de abertura de Turma da Mônica #89, "A Marca Registrada", Marina resolve acabar com isso para poder pintar a Magali de um jeito diferente. Dessa edição não tem muito mesmo pra falar, então vou tentar dizer o máximo que puder.


Pra começar, acho que o gibi da Turma da Mônica está virando gibi da Marina. Ou é história dela, ou da Mônica e Cebolinha, nunca variando. Apesar dessa história poder sair perfeitamente no gibi da Magali. Mas, de volta à crítica, a Marina quer pintar a Magali de um jeito diferente, que não seja com melancia. Mas a Magali só pensa em comida. Quando a Marina pede que ela segure uma flor, a Magali vem com uma couve-flor, e assim vai. Até que foi engraçado.


Depois, Marina finalmente percebe que não dá pra mudar o jeito da Magali ser e que a melancia é e sempre será sua marca registrada. Ponto. Então, a Marina decide pintar o Cascão e seu guarda-chuva... ou não?! A história recomeça. Uma crítica a essa edição, e não só a essa, mas a todas as Turma da Mônica, é que, agora, a edição é uma versão em português das Monica's Gang e Mónica y su pandilla, versões em inglês e espanhol, respectivamente.


Parece que, e talvez seja, a MSP está com preguiça de pegar as melhores histórias e traduzir. Pra facilitar, é só pegar as mais recentes. Só pra constar, em inglês, o nome da história ficou Registered trademark e, em espanhol, La marca registrada.

domingo, 1 de junho de 2014

Figurinhas da Turma

Turma da Mônica lançou um álbum de figurinhas da Turma sobre a copa. É um álbum virtual. A cada dia, eles darão dicas de figurinhas, que estão espalhadas pela internet. As figurinhas de hoje foram as da MônicaMagaliDeniseCranicola Tina.


Chegaram as Figurinhas da Turma, um álbum digital que todo mundo vai querer colecionar. São 50 figurinhas virtuais espalhadas pela internet para você procurar, trocar e colecionar. 

Entre os dias 3 e 11 de junho, a Mauricio de Sousa Produções publicará diariamente cinco diferentes missões para você encontrar as figurinhas. Depois de completar a missão, é só salvar e guardar.


Disponível em: <http://turmadamonica.uol.com.br/figurinhasdaturma/> Acesso em 3 jun. 2014